Gostou do artigo? Compartilhe!

Conciliando Medicina e a maternidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Não importa o quanto você se planeje, nada irá te deixar totalmente preparada para o que é se tornar mãe e todas as mudanças que isso traz para sua vida pessoal e profissional.

O papel de mãe exige dedicação ininterrupta, por isso muitas mulheres se consideram incapazes de conciliar a carreira com as funções maternas.

De fato, não é uma tarefa fácil, mas retornar às atividades laborais é possível para as mães que desejam seguir a carreira dos sonhos, manter estabilidade financeira e mesmo alcançar independência.

Para isto, é importante manter em mente que você é detentora de todas as suas escolhas. Independente da pressão de familiares, amigos ou mesmo do companheiro, a escolha por voltar às atividades deve ser pessoal e facultada.

Geralmente, a decisão vem acompanhada de sentimentos de culpa, estresse e exaustão. Lembre-se: não há motivos para pensar que você não será uma boa mãe por buscar realização profissional. As duas funções podem coexistir harmoniosamente.

Médicas muitas vezes aproveitam a maternidade e as exigências que ela traz para flexibilizar seus horários, trabalhando em clínicas por meio expediente ou então investindo em consultório próprio, onde poderão ter mais liberdade.

Preparamos algumas dicas para futuras mães lidarem com a vida profissional:

1. Para que as responsabilidades não desgatem você e suas relações, prepare-se antes do retorno ao trabalho. Organize seus horários e, principalmente, não assuma tantas funções quanto você estava acostumada. Ser mãe exige tempo e aos poucos você pode ir retornando a sua rotina habitual.

As médicas geralmente optam por deixar as jornadas duplas e longos plantões. Procure se estabilizar num ambiente que lhe dê mais disponibilidade de horário.

2. Invista tempo com seu parceiro pensando criteriosamente nos dias da criança enquanto vocês estiverem fora: com quem vai ficar, como será a alimentação e outros cuidados do dia-a-dia. Escolher uma pessoa ou instituição de confiança é fundamental para dar tranquilidade aos pais. A proximidade do trabalho pode ser um fator decisivo no momento da escolha: seja creche, casa dos avós ou cuidador, o ideal é que fique próximo de sua clínica ou consultório para facilitar o contato.

3. Reserve um tempo para estar exclusivamente com seus filhos, interagindo e participando de seu mundo, não apenas nos cuidados do dia-a-dia. Mesmo que sejam poucas horas, torne este período num momento de qualidade, dando atenção ao pequeno.

4. Mantenha contato durante o dia em horários específicos. Crie atividades entre os dois, buscando a criança na creche/escola, acompanhando seus estudos, levando o pequeno nas suas tarefas diárias, etc, estabelecendo um laço especial entre os dois.

Gostou do artigo? Compartilhe!